MINISTRO RONALDO NOGUEIRA É HOMENAGEADO EM SUA TERRA NATAL

30 de maio de 2016

Tags:Carazinho
Foto: Divulgação
O ministro do Trabalho, carazinhense Ronaldo Nogueira, foi homenageado em sua cidade natal neste sábado (29) numa iniciativa do Sindicato dos Comerciários de Carazinho e Região. Foi no ginásio do Patronato Santo Antonio, durante almoço que reuniu homenageado, familiares, convidados, e comerciários.
O ato começou com a homenagem da primeira empresa na qual Ronaldo trabalhou, a Augustin. Ele recebeu das mãos de Paulo Finger, que foi seu chefe ainda na adolescência, e assinou sua carteira, uma cópia do documento de registro na empresa. Ao cumprimentar o hoje ministro, Paulo Finger falou da satisfação em ver Ronaldo em tal posição, e disse estar muito feliz por ele. Ronaldo ficou emocionado e conteve as lágrimas. Depois, disse que passou um filme na sua cabeça, ao relembrar daquela época, da qual tem muitas boas recordações. “O Tomate me arrebentou com essa homenagem, e o Paulo Finger, terminou de me arrebentar quando mostrou aquela ficha de trabalho” declarou Ronaldo.
O presidente da Cotrijal, Nei Cesar Mânica, compareceu a convite do Sindicato e ressaltou o quanto é importante termos um ministro desta região. Manifestou carinho e confiança em Ronaldo, ao mesmo tempo em que saudou o presidente Ivomar de Andrade (Tomate) e toda a classe comerciária. “Apoiamos totalmente essas ações de reconhecimento. Alguns ficaram surpresos pela indicação do Ronaldo, mas, nós, não, pela capacidade do Ronaldo, foi o que o levou a ser ministro, a vida nos mostra caminhos, e ele está subindo esses degraus pela competência e capacidade”, destacou Mânica.
O presidente do Sindicato dos Comerciários de Carazinho e Região lembrou o passado de Ronaldo como comerciário, reforçou o pedido para que esteja ao lado dos trabalhadores, e entregou a ele uma placa com dedicatória que foi lida pelo homenageado, e uma nova carteira de associado do sindicato. “O Ronaldo pegou um pepino, um ministério sucateado, mas preocupa mesmo é a reforma trabalhista e previdenciária, você conhece minha posição, não vejo como a flexibilização seja motivo para tirar direitos dos trabalhadores, e é esse pedimos que fazemos novamente. Lembra que neste berço nasceste” declarou Ivomar.
Relações políticas
Quando fez seu pronunciamento, Ronaldo lembrou a presença do deputado federal Dionilso Marcon, do PT, que estava presente. Quando conversaram recentemente contou a ele que estaria na região, e Marcon fez questão de abraçar o ex-colega de câmara federal. “Marcon, agradeço esse grande gesto, você não imagina o valo que isso tem para mim” disse ao petista, demonstrando o bom relacionamento apesar de ter votado favorável ao impeachment da presidente afastada Dilma.
Compromisso reafirmado
Ronaldo disse mais uma vez que se tornou ministro em razão da circunstância, citou os nomes do PTB com muito mais mandatos do que ele que chegaram a um consenso pelo seu nome, e disse saber da missão que tem nesta função. “Os arrogantes e prepotentes sucumbiram, o ministro do Trabalho hoje é um comerciário, que bem cedo cortava grama e estudava em outro turno, e mais tarde, aos 16 anos, conseguiu seu primeiro emprego na Augustin. Digo a vocês o mesmo que disse lá na Força Sindical, na UGT, na Fiesp, e aos demais sindicatos: o trabalhador não será surpreendido, traído, pelo ministro do Trabalho, ou na elaboração dessa legislação que precisa ser readequada, porque na década de 40 tínhamos uma realidade de oportunidade de trabalho. É possível harmonizar essa relação, direito não se tira. A legislação será construída a partir do trabalhador”. (Gazeta 670 AM)

Ao Vivo - Rádio Carazinho