SIMULADORES REDUZEM PELA METADE ACIDENTES ENVOLVENDO JOVENS

7 de maio de 2016

Tags:Brasil
Os simuladores de direção veicular, desde o início do ano obrigatórios no Brasil em aulas práticas de direção para quem vai tirar a CNH, são considerados uma ferramenta de alta precisão para recriar a experiência de dirigir e tem oferecido resultados na segurança no trânsito nos Estados Unidos. A conclusão é do Departamento Nacional de Transportes norte-americano que, em pesquisa conjunta com a Universidade de Iowa, verificou que os acidentes envolvendo jovens caíram pela metade nos últimos nove anos.
Para Omar Ahmad, diretor do National Advanced Driving Simulator (NADS), órgão parceiro do departamento americano, o fato de o aparelho colocar condutores em formação em um ambiente seguro e controlado permite tornar os futuros motoristas preparados, o que reflete na redução de acidentes por meio de uma melhor compreensão do trânsito e dos fatores humanos na condução de veículos.
A pesquisa aponta que os jovens estão envolvidos em acidentes entre quatro e cinco vezes mais que motoristas com experiência. Também estão mais propensos a desrespeitar as leis de trânsito, principalmente os limites de velocidade. O órgão norte-americano atribui esse comportamento à falta de maturidade e de experiência. E é justamente isso que o simulador, de acordo com a pesquisa, ajuda a corrigir, já que os futuros motoristas têm o contato virtual com as situações adversas, perigosas e complexas, que os farão pensar e compreender, de modo correto, como agir diante delas.
Ahmad, em recente passagem pelo Brasil, afirmou que a estrutura dos equipamentos e o conteúdo pedagógico determinado pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) atende aos padrões internacionais. “Sinto-me confiante afirmando que os simuladores do Brasil atendem aos requisitos e características necessários para o alcance de resultados positivos para os alunos que desejam obter a carteira de habilitação”.
O diretor do NADS afirmou ainda que a eficiência dos simuladores no aprendizado de condutores em formação é responsabilidade dos instrutores. “O olhar do instrutor é fundamental para ajudar o condutor a amadurecer, afinal, os simuladores não são substitutos da experiência real, mas permitem vivenciar situações perigosas com alto grau de realidade”, avalia.
Global
Em pelo menos onze países em que os simuladores são usados, a experiência trouxe resultados. No Japão, por exemplo, motociclistas usam o aparelho para aprender a dirigir há 20 anos. A queda nos acidentes sobre duas rodas já foi expressiva em 1998. Em 2007, a utilização do equipamento também passou a ser obrigatória para a formação de motoristas.

Na Tailândia, China e França, os simuladores são permitidos para cumprimento de parte da carga horária. Os aparelhos vêm sendo amplamente utilizados pelas autoescolas e são considerados um importante aliado para melhoria do processo de formação.
Na Holanda, autoescolas apoiam o uso do simulador de direção na formação de motoristas. A categoria divulga os benefícios e a redução no índice de reprovações, além da melhoria no nível de habilidade do condutor. Há também o uso regulamentado de simuladores de direção veicular e anotação de resultados em países como República Tcheca, Irlanda, Lituânia, Romênia, Rússia e Eslováquia.

Ao Vivo - Rádio Carazinho