VEREADOR MARCELO LEMOS TEM PEDIDO DE CASSAÇÂO DE SEU MANDATO

18 de junho de 2015

  

Segue Abaixo o desabafo do Vereador Marcelo Lemos

Ao Povo de Uruguaiana:
Mais uma vez sou vítima de meus acertos,
Sou atacado e perseguido de forma covarde e sem misericórdia pelos que estão há anos se sustentando, crescendo e engordando as custas do povo.
Iniciei a fiscalização das contas do carnaval, sozinho. Meu brado ecoava como se um Dom Quixote fosse, lutando contra seres imaginários em lugares distantes. Fui atacado.
Fui o primeiro vereador da atual legislatura a apurar o contrato da água, que resultou na Cpi em andamento. Novamente fui atacado, de todas as formas. Sofri pressões das mais variadas possíveis. Não hesitei.
Não me refiro as pessoas como compadre, comadre e amiguinho. Me refiro aos cidadãos de Uruguaiana como meus patrões, que assim o são.
Devo satisfações ao povo de Uruguaiana e a minha consciência.
Não aceito lobby, nem pressões externas.
E agora, através do protocolo 01076 de 15/06/2015 às 12:50 hs, foi pedida a CASSAÇÃO DO MEU MANDATO DE VEREADOR.
Mandato que na verdade não é meu. É do povo de Uruguaiana, que me incumbiu a honra de ser um de seus representantes.
A Lei de Consolidação do Atendimento das Instituições Financeiras serviria para agilizar e melhorar o atendimento a toda população de Uruguaiana nos bancos. Foi rejeitada. Fui agredido verbalmente e fisicamente.
Fui chamado de indecente, imaturo, brigão, etc.
Se o conceito de indecência é aquele do século 19, então sou indecente.
Se o conceito que estes acusadores tem de imaturo é de alguém jovem, que expõe suas ideias e tenta das mais variadas formas (dentro da lei) fazer com que virem realidade, então sou imaturo.
E se o conceito de brigão, é aquele que demonstra valentia, não se abate na primeira derrota e defende o povo até o fim, então sou brigão.
Posso errar por impetuosidade, mas por resignação vou errar jamais.
As calúnias e difamações que poderão vir na sequência não irão me abalar, assim como também não me abalaram as anteriores.
Enquanto o povo de Uruguaiana me outorgar o mandato, vou seguir lutando, doa a quem doer.
E se ano que vem, nas eleições municipais, a confiança em mim não for renovada, saio com a mesma dignidade que aqui entrei.
Poque quando entrei nessa Casa Legislativa, meus ideais entraram comigo, não ficaram sentados no banco da praça aguardando meu retorno.
Sou o único vereador de minha bancada.
Minha origem remonta a Travessa 11 no Bairro Nova Esperança.
Talvez o que mais agrida os adversários, é que eu não esqueci quem sou, de onde vim e a quem defendo.
A mosca azul não me picou.
Quais são os interesses que norteiam o pedido de meu afastamento? A quem interessa?
Aos usuários da Unidade de Pronto Atendimento que consegui as verbas para a construção?
Aos Uruguaianenses salvos no trânsito em decorrência da operação Balada Segura?
As crianças que começam a contar com o Turno Integral nas escolas em decorrência de uma lei de minha autoria?
Aos aposentados que ficam em pé na chuva e no frio esperando as filas dos bancos antes de abrir?
Aos Uruguaianenses atendidos pelas mais 1500 (mil e quinhentas) demandas realizadas pelo nosso gabinete ao longo desses dois anos e meio de mandato?
Ou aos poderosos que eu tenho enfrentado todos os dias, através do trabalho na câmara?
Vou, mesmo que com uma “adaga sem fio e um cavalo manco” lutar até o final.
Esta carta não é um lamento, promessa ou desabafo.
Esta carta é um juramento.
Um juramento ao povo de Uruguaiana.
1706/2015
Vereador Marcelo Lemos
Líder da Bancada do PDT





 

Ao Vivo - Rádio Carazinho