Chefe da polícia do Senado preso pela Polícia Federal teria ajudado Sarney, Collor e Lobão a atrapalhar as investigações da Operação Lava-Jato

21 de outubro de 2016

Tags:Brasil
Foto: Folhapress
Quatro policias legislativos foram presos na manhã desta sexta-feira (21) durante a Operação Métis, que visa desarticular uma suposta organização criminosa que tentava atrapalhar investigações da Lava-Jato. Um deles é Pedro Ricardo Carvalho, chefe da polícia do Senado e homem de confiança do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). Os demais presos foram Geraldo Cesar de Deus Oliveira, Everton Taborda e Antonio Tavares.
A operação se baseou no depoimento de um policial legislativo. Ele relatou à PGR (Procuradoria-Geral da República) que o chefe da polícia do Senado teria realizado medidas de contrainteligência nos gabinetes e residências dos senadores Fernando Collor de Mello (PTC-AL), Edison Lobão (PMDB-MA) e do ex-senador José Sarney (PMDB-AP), que foi presidente do Senado.
A prisão dos quatro policiais suspeitos é temporária. Foram expedidos ainda cinco mandados de busca e apreensão e quatro de afastamento de função pública. Os policias legislativos são servidores do Congresso que atuam na segurança no prédio.
“Foram obtidas provas de que o grupo, liderado pelo diretor da Polícia do Senado, tinha a finalidade de criar embaraços às ações investigativas da Polícia Federal em face de senadores e ex-senadores, utilizando-se de equipamentos de inteligência”, afirmou a Polícia Federal em nota sobre a operação.(O SUL)

Ao Vivo - Rádio Carazinho