Municipários realizam paralisação de 24h na próxima quarta em Porto Alegre

10 de março de 2017

Foto: Mariana Pires
Os servidores municipais de Porto Alegre vão paralisar as atividades na próxima quarta-feira, mesmo dia em que começa a greve geral dos professores da rede estadual. A manifestação ocorre em repúdio à proposta de reforma da Previdência. Uma agenda de mobilizações vai ocorrer nos próximos dias em protesto às mudanças em discussão no Congresso, conforme o Sindicato dos Municipários.
Uma reunião agendada para hoje entre o funcionalismo e o prefeito Nelson Marchezan foi cancelada após uma confusão nas pautas agendadas. Segundo o chefe do Executivo, o encontro seria uma apresentação do caixa da prefeitura aos servidores, já os servidores pretendiam discutir uma proposta de reajuste salarial.
Além disso, hoje foi protocolado na Secretaria da Educação um ofício pedindo a revogação do decreto do prefeito que modifica a carga-horária nas escolas. O objetivo é abrir uma agenda de discussões sobre as novas normas nos colégios. Já em prática, está a decisão dos professores é pela manutenção do ano letivo com a grade de rotina definida no final de 2016 e não pelo atual modelo definido por decreto de Marchezan.
As mudanças apresentadas pela Secretaria da Educação, há três semanas, têm gerado uma queda de braço entre professores e gestores municipais. As alterações envolvem basicamente o tempo que o aluno permanece em sala de aula, a divisão de período e a manutenção dos estudantes na escola na quinta-feira depois das 10h, quando ocorre a reunião pedagógica dos professores.
Os docentes questionam que neste período, por exemplo, os alunos não teriam supervisão. Além disso, segundo a manifestação de parte dos professores, as medidas não representarão mais tempo do aluno, mas significará o desmonte do modelo pedagógico adotado. (Correio do Povo)

Ao Vivo - Rádio Carazinho